sábado, abril 30, 2016

hoje o meu patrão colocou as duas mãos dele na minha cintura e com um olhar de comiseração disse: "você já viu o seu corpinho mulher? coitadinha". (argumentei com a conversa do costume: "as mulheres não se medem aos palmos".) depois iniciou uma conversa estranha sobre o interesse masculino na minha pessoa, segundo ele, nenhum, a avaliar pelo meu corpo. resumiu-me a um buraco. "vá por mim, é isso que querem de si".

estou sem saber o que escrever
- original soundtrack -
 
a propósito desta publicação, deu-me para ouvir mais coisas da Amy Winehouse. Lembro-me da primeira vez que a ouvi e vi. Foi numa estação estrangeira e ela estava a cantar este tema. Pensei: "wow! que é isto? quem é ela? que voz, que presença, que letra!". Depois passado um tempo o meu pai ofereceu-me o "Frank", o primeiro disco dela, que ouvi até se romper. E mantive a opinião de que a voz era portentosa e as letras sarcásticas, como eu gosto. Ela canta (cantava) sobre relações mal sucedidas, obsessivas e traições. E, melhor que tudo, cantava os clássicos, como este, que é lindo,  pois num poema muito pequeno, tudo fica dito. Não foi escrito por ela, mas podia ter sido:

Tonight you're mine completely
You give your love so sweetly
Tonight the light of love is in your eyes
Will you still love me tomorrow?

Is this a lasting treasure
Or just a moment's pleasure?
Can I believe the magic of your sighs?
Will you still love me tomorrow?

Tonight with words unspoken
And you say that I'm the only one, the only one, yeah
But will my heart be broken
When the night meets the morning star?

I'd like to know that your love
Is love I can be sure of
So tell me now, cause I won't ask again
Will you still love me tomorrow?
Will you still love me tomorrow?

(Will you still love me tomorrow, versão de Amy Winehouse)
- o carteiro -

aquisições recentes

 


 




aquele momento em que pensas

"vou telefonar.
não, não vou nada. não vou chatear. amanhã é outro dia. depois logo se vê.
não vou telefonar.
...
...
...
apetecia-me telefonar..."

sexta-feira, abril 29, 2016

escrevo amanhã. dói-me o estômago, estou com vómitos, enjoos e poucas horas de sono. acho até que perdi peso.

quarta-feira, abril 27, 2016

tenho uma amiga que, sempre que nos encontramos, parece ter uma camisola nova. "já viste a minha camisola?", "acho que sim...", "não, esta é nova", "mas então tens uma muito parecida", "sim, o azul da outra é um nadinha mais claro. sabes quanto custou?", "não, quanto?", "3 euros, nos ciganos", "foi barata. mas se já tinhas uma assim...", "ai, era tão barato que era uma pena não comprar"
 
conto esta petite histoire pois lembrei-me dela há uns dias. há uns tempos que noto - por favor não pensem que sou pretensiosa, é exatamente o oposto - que o meu professor de ginástica "arrasta uma asa na minha direção"; ou seja, gala-me. eu vou brincando, fazendo de conta que não percebo, mas não consigo deixar de me sentir quase ofendida porque o universo feminino no ginásio é vasto e apetecível. ele faz a parte dele: beijinhos, abraços, convites para isto e para aquilo. vê-lo fazer esta galação é quase como ouvi-lo dizer baixinho: "oh, coitadinha... tão pequenina, tão carente... é quase uma pena não brincar com a miúda". e isto revolta-me. se ele galasse as miúdas polpudas e frescas, eu compreenderia, isso faria parte da ordem natural das coisas. galar-me só pode ser uma brincadeira de mau gosto. 

segunda-feira, abril 25, 2016

- original soundtrack -
 
ahhhh...
a Primavera chegou: as flores desabrocham, os passarinhos cantam, as moças andam com as vergonhas de fora, as hormonas pulam, as relações florescem... (para tudo se acabar na quarta feira...) Tudo isso me dá vontade de ouvir uma música a condizer

 
é isto

(será que alguém consegue ouvir-me?)
- ars longa, vita brevis -
Hipócrates

não, não, não Gerome. Não!
Vou ser muito honesta Gerome. Podia dizer "ah, gosto muito de ti, mas...". Mas nada! Não gosto muito de ti. Não é nada pessoal, é mesmo a tua pintura que me dá vontade de "me esgromitar" toda. Pá, não gosto dos Neoclássicos, que queres?! Mas o pior não é esta evocação da Antiguidade fora de tempo; é mesmo o polegar para baixo. O pessoal ficou a acreditar que quando o imperador voltava o polegar para baixo, o gladiador devia morrer, mas a verdade é outra. O punho cerrado é como uma espada embainhada: o polegar para cima significa, isso sim, a espada desembainhada, logo, o gladiador deve morrer. A expressão do teu quadro - "Pollice Verso" - quer dizer "polegar virado" e não "polegar virado para baixo". Aliás, a expressão era "pollice compresso favor indicabatur" que quer dizer "a boa-vontade é decidida mantendo-se o polegar escondido".
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Jean-Léon Gérôme
Pollice Verso
1872
Museu de Arte de Phoenix




 
 
 
 
Queres provas, não é Gerome? Pois cá vai: em 1997 foi descoberto no Sul de França um medalhão romano do século II, o Médaillon de Cavillargues, que mostra dois gladiadores no fim da batalha e o árbitro com o punho cerrado. A inscrição presente no medalhão diz "quem está de pé deve ser libertado" (Stantes Missi).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Por tua causa ficou toda a gente a pensar que o polegar para baixo significava morte. E tu também não fizeste a coisa por menos: colocaste logo as vestais (as virgens que cuidavam do fogo sagrado) a fazer este gesto, o que é o mesmo que dizer: "tão puras, tão puras e vai-se a ver, são umas grandes malucas". Bom, é claro que houve quem defendesse que esta coisa do polegar tinha conotação sexual pois a palavra polegar ("pollex"), derivava de poder ("polleo"). O polegar teria então alguma ascendência sobre os outros dedos. Era o único que não necessitava de anéis e por isso estava relacionado com os genitais masculinos, da mesma forma que os dedos que levavam anéis estavam relacionados com o coração. Havia até quem defendesse que o polegar tinha propriedades apotropaicas, e era capaz de afastar o diabo e o mal. Hoje em dia fazemos o mesmo mas com o dedo médio: pode não afastar o mal, mas às vezes é uma boa resposta a perguntas idiotas.
A Antiguidade tinha qualquer fascínio com os falos. A palavra "fascínio" é mesmo a palavra certa. Fascinum era o nome pelo qual os romanos designavam o falo. Para eles - se calhar mais para elas e para alguns eles - o falo era sinónimo de prosperidade, fertilidade, poder e sorte e por isso eram muitas vezes encontradas representações de falos à entrada de edifícios romanos. Há até a história de Valéria e Sila Félix (Félix quer dizer "feliz"). Ela diz-lhe: "gostaria de partilhar a tua felicidade" e de facto mais tarde dorme com ele. Isto lembra de certa forma o Último Tango em Paris (não é a cena da manteiga), mas antes o "A tua felicidade é a minha felicidade". À medida que Roma caminha para a sua queda (devido a uma sucessão de maus imperadores que fizeram alianças pouco confiáveis com povos bárbaros, à presença destes nas portas de Roma, à corrupção e ao facto do Império ser demasiado grande), a felicidade passa a ser apenas isso: o falo, a abundância, o excesso, o espectáculo; ou seja, a "órgia", como dizia alguém... O ideal grego da felicidade enquanto trabalho em prol da pólis, a virtude, o equilíbrio da alma, vai-se, ao mesmo tempo que a arte grega deixa a temática intangível, os corpos idealizados e perfeitos e prefere-os moribundos e sofridos.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Laocoon and His Sons
Museus do Vaticano, Vaticano
- ars longa, vita brevis -
Hipócrates

Século XX

Século XIX

Século XVIII

 - o carteiro -

 e o Homem criou Deus... (XVII)

Após a Inquisição a Igreja de Roma deparou-se com outro problema de difícil resolução, ou, pelo menos, de resolução pouco pacífica. Não estamos a falar de caça às bruxas nem de procurar o diabo no corpo dos crentes como medida dissuasora da liberdade de pensamento. Estamos aliás longe disso.

Em meados do século XV, Gutenberg cria um método de impressão que liberaliza a produção de livros. Até aí eles eram manuscritos, copiados por monges. Eram eles quem tinha o acesso ao conhecimento, eram eles que "escondiam" os livros. Estou a lembrar-me do "Nome da Rosa". Ao inventar os caracteres móveis, Gutenberg tornou o livro mais acessível para todos aqueles que sabiam e queriam ler e que convenhamos, eram em escasso número. Entre os livros que Gutenberg imprimiu está a Bíblia, que se torna assim acessível às pessoas comuns. Cerca de 75 anos depois em Inglaterra era traduzido, em homenagem a um homem chamado William Tendell, o Novo Testamento para linguagem actual e compreensível. Isto claro não era visto como algo de positivo em todos os quadrantes da sociedade. Até agora a Bíblia apenas existia em latim e por isso no domínio da clero educado e culto. Traduzir a Bíblia é visto como uma heresia e uma ameaça directa à Igreja. Por causa disto, Tendell é queimado vivo! No entanto, uma vez a revolução iniciada já nada a podia parar e as traduções da Bíblia vieram mesmo colocar um ponto final à autocracia do conhecimento praticada pela Igreja.

Na Alemanha Martinho Lutero também traduz a Bíblia, mas não é por isso que o seu nome fica conhecido. Em 31 de Outubro de 1517 Martinho Lutero aproxima-se da porta da Igreja do castelo de Wittenberg e afixa aí as suas 95 teses. Lutero estava furioso com a questão das indulgências, já que o Papa havia concedido indulgências (perdões daqueles valentes) a quem tivesse contribuído para as obras da Basílica de São Pedro. Ora, isto é colocar um preço à salvação e já se sabe quem é que pode pagar: os ricos. Ao colocar as suas 95 teses na porta, Lutero dá início a uma revolução teológica que a par da revolução tecnológica de Gutenberg, divide a cristandade. As 95 teses de Lutero são tão fortes, tão revolucionárias que ele chega mesmo a chamar o Papa de Anti-Cristo. Em resposta às críticas de Lutero, o Papa Leão X publica um édito a condenar dezenas de trabalhos de Lutero e dá-lhe seis dias para se retratar. Lutero responde-lhe ainda com mais acidez e veementes acusações e claro, sem surpresa, é excomungado. Mas segundo a lei germânica, ele tinha direito a um julgamento que de facto aconteceu na cidade de Worms (julgamento conhecido por Dieta de Worms) e foi presidido por Carlos V. Carlos V era de origem espanhola e havia sido declarado há pouco Sacro-Imperador Romano. Os apoiantes de Lutero acorreram em grande número. Tão grande que a ameaça que representavam era não só à Igreja como à sociedade civil. Obviamente Lutero mantém a sua palavra durante o julgamento e é considerado por isso pela Igreja um fora-da-lei. Os apoiantes de Lutero, com medo que o matassem, organizam um rapto, levando Lutero para o Castelo de Wartburg onde permanece um ano.

A principal reclamação de Lutero face à Igreja de Roma é que ele insiste que a Salvação só pode vir da Fé em Cristo e das Escrituras e não das boas acções. Isso torna muito subjectiva a relação do crente com Deus: as boas acções podem ser vistas, avaliadas, enquanto a Fé não. Esta relação privilegiada e mais próxima entre o crente e Deus é, para mim, um dos pontos de viragem na sociedade ocidental. Numa época em que as pessoas viviam mal, a esperança de vida era curta e os pobres ostracizados, a Salvação através das Escrituras marca a ascensão de uma das mais poderosas ideias da civilização ocidental: a ideia do indivíduo.  

quinta-feira, abril 21, 2016

merda, merda, merda, merda

quarta-feira, abril 20, 2016

da higiene

no comboio, uma senhora corta as unhas.
- original soundtrack -
Isto é para lá de bonito: escrevo-te uma carta, que é mais do que uma carta, é uma petição, uma oração... beijo o envelope... carta de amor, vai ter com ela. (agora que penso nisso, nunca me escreveram uma carta de amor, mesmo que todas as cartas de amor sejam ridículas. talvez porque eu também nunca escrevi a ninguém. o mais parecido com uma carta de amor, foi um bilhete num ramo de flores. dizia: "tudo passa menos aqueles que te amam")
Nunca imaginei o vídeo assim. Fá-lo-ia nas costas da Ilha de Wight, num dia de Outono.

















I hold this letter in my hand
A plea, a petition, a kind of prayer
I hope it does as I have planned
Losing her again is more than I can bear
I kiss the cold, white envelope
I press my lips against her name
Two hundred words. We live in hope
The sky hangs heavy with rain

Love Letter Love Letter
Go get her Go get her
Love Letter Love Letter
Go tell her Go tell her

A wicked wind whips up the hill
A handful of hopeful words
I love her and I always will
The sky is ready to burst
Said something I did not mean to say
Said something I did not mean to say
Said something I did not mean to say
It all came out the wrong way

Love Letter Love letter
Go get her Go get her
Love Letter Love letter
Go tell her Go tell her

Rain your kisses down upon me
Rain your kisses down in storms
And for all who'll come before me
In your slowly fading forms
I'm going out of my mind
Will leave me standing in
The rain with a letter and a prayer
Whispered on the wind

Come back to me
Come back to me
O baby please come back to me

(Love Lettrer, Nick Cave)
- não vai mais vinho para essa mesa -

pai - vê lá se há viagens para a Grécia. Também gostava de ir à Grécia
...
eu - não, não há... que estranho? Não têm viagens à Grécia em Agosto... é muito estranho...
pai - se calhar vão encerrar o mar...
eu - sabes porquê?
pai - não.
eu - vão drená-lo para limpar o fundo. dizem que está cheio de verdete...
- o carteiro -
Da última vez falei de São Domingos e de São Francisco, bem como dos Albigenses. No fundo falei (escrevi. quem fala é o Zaratrusta) sobre as correntes, dentro e fora da Igreja que se opunham ao fausto desta. Dentro da Igreja, temos aqueles como São Francisco que formam Ordens quase à margem, que vivem quase na miséria, que os outros até desprezam. Fora da Igreja vivem heréticos como os Albigenses. Lembremo-nos que, numa altura em que a Igreja era tudo, estar à margem da Igreja era estar à margem da sociedade, era não ter a tão desejada Salvação. Isto é ainda mais importante quando percebemos que muitas pessoas viviam vidas tão miseráveis que a morte só podia ser boa.
O Papa Inocente III tenta combater este problema socorrendo-se para isso dos serviços dos dominicanos. Mas os dominicanos eram uma Ordem religiosa pacífica; a sua acção não era pela violência e, obviamente, a missão que lhes foi dada pelo Papa, não teve frutos. O Papa tem então outra ideia: convocar um exército para converter à força esses heréticos (conversão ou morte), mas também isso é infrutífero. Durante 20 anos trava-se uma guerra brutal - a chamada cruzada albigense - que não derrota os heréticos. O problema arrasta-se e em 1231 o papa Gregório IX tem o problema nas mãos. É então que decide por uma outra iniciativa: chamar o clero para ir para as zonas rurais investigar e aí estabelecer pequenos tribunais que vão investigar estas fugas à norma de Roma. É com estes pequenos tribunais que começa a Inquisição. Toda a gente conhece a Inquisição: é apelidado de "período mais negro da história da Igreja", mas para mim, venha o diabo e escolha...Depois de se terem livrado dos bárbaros e dos muçulmanos, os cristãos estavam agora a travar uma batalha no seu seio, contra os heréticos, ao mesmo tempo que a Igreja vivia um período próspero. Este braço de ferro entre a Igreja e os seus críticos era um reflexo de uma Igreja totalitária, uma Igreja que se imiscuía num âmbito que não era o seu, que era o de julgar. Igreja e Estado continuam portanto em permanente conflito. Isto é tão verdade que 15 anos após o início da Inquisição o rei espanhol Filipe de Aragão proclama que os inimigos da cruz, são também seus inimigos, inimigos do reino, o que mostra como a questão era também estatal, política.

A Inquisição espalha a sua sombra pela Europa e os seus tribunais cometem claramente excessos, principalmente em Espanha. O início foi a expulsão de muçulmanos do país. No século XV nada fica na Europa das comunidades muçulmanas que até aí conviviam pacificamente. Os grandes redutos muçulmanos eram Granada e Navarra. Em 1469 o destino de Granada é ameaçado pelo casamento de Fernando de Aragão e Isabel de Castela. Ora a união de um Aragão com uma Castela, resultava naquilo que hoje é conhecido por Espanha, à excepção de Navarra e Granada. Mas era um grande passo: era uma unificação política e que os reis queriam que, claro, fosse também religiosa. Por isso tomaram os destinos desta unificação religiosa nas próprias mãos e levaram a cabo a Inquisição Espanhola. Em 1492 é dado aos judeus um ultimato: converterem-se ao cristianismo ou deixarem Espanha. Milhares de judeus partem, deixando aquela que foi a sua casa por muitas gerações e outros, sob o peso da Inquisição, convertem-se. Também os muçulmanos são confrontados com essa difícil escolha de conversão ou deportação. Aparentemente, a Igreja conseguia assim fazer a "limpeza" necessária para vingar. Não estava era preparada para desafios tão fortes como aquele que se seguiu: a Reforma Protestante.
- ars longa, vita brevis -
Hipócrates
antes e depois ou "olá gente. estou um bocadinho jururu... vamos lá ver como é que isto corre. hoje trago-vos um antes e depois que compara uma fotografia do Eadweard Muybridge com uma pintura do Francis Bacon. pá, confesso que o Bacon não me "sóia" (soa) muito. não sei, não me cai bem... as pinturas dele deixam-me desconfortável. se calhar é esse o objectivo. Bem, começo pelo princípio: a fotografia dos tipos sociais e corporais. Com o avanço da ciência no final do século XIX (quando falei do Van Gogh até dei exemplos), com as descobertas na fotografia, mas também devido ao Grand Tour, às expedições e às Exposições Universais, começou a ser possível ver fotografia de tipos. por um lado o tipo desconhecido, o exótico (como as tribos negras em África), que é sempre visto como algo curioso, porém menor, por parte do homem branco. por outro lado, os tipos de corpos que dão origem a uma pseudo-ciência. esta "ciência" classificava as pessoas consoante as medidas do seu rosto e corpo. acreditava-se que os assassinos e os doentes mentais tinham determinadas características físicas comuns (teratologia). se realmente fosse assim não havia criminosos. isso serviu para justificar muita coisa e não sei se isto não estará na base do eugenismo e daquilo que foi feito na segunda guerra mundial... bom, mas o que queria dizer é que sim, que de facto se acreditava que a fotografia associada às doenças mentais podia ajudar a classificar os tipos. Um dos defensores dessa ideia (e praticante) foi o nosso Eadweard Muybridge. Antes de tudo convém dizer que ele criou o zoopraxiscópio, que está na base do princípio cinematográfico. este aparelho permitia-lhe criar imagens fotográficas do movimento humano ou animal, para melhor este ser estudado. De facto tanto fotografou cavalos a correr, como doentes num asilo e claro, esta criança com paralisia a andar com as mãos e os pés. É o gosto pelo exótico, pelo estranho, pelo mórbido. É pelo menos mórbido fotografar isto tendo em mente fazer uma classificação das pessoas. Mas há gente que tem gosto pelo mórbido, pelo que de pior há na Natureza e no ser humano, seja isso físico ou não. Acho que o Francis Bacon era uma pessoa assim. Não propriamente um gosto pelo mórbido, mas o gosto pela besta humana, o que torna algumas das suas pinturas mórbidas. ele próprio disse que o ser humano é carne apenas: é perecível, é utilizável... acho que ele disse isto por causa da barbárie da segunda guerra mundial. o quadro de Bacon é também um pouco com o seu pensamento acerca do ser humano: não há esperança. aquela figura entre o humano e o animal encontra-se num quarto escuro, atrás de uma escada e de uma corda que dali pende. lembro que estes eram, entre outros, símbolos da Paixão de Cristo e do seu sofrimento. isto leva-me a pensar que Bacon pudesse estar a dizer que não havia esperança para aquela criança: se não fosse a morte, haveria uma existência pouco auspiciosa como possibilidades para viver aquela vida. mas também acho que a com a criança Bacon não quer falar da doença, mas sim da existência humana, saudável ou não. no fundo ele diz que não há esperança.     











Eadweard Muybridge
Infantile paralysis (child walking on hands and feet)
1887



Eadweard Muybridge
Infantile paralysis (child walking on hands and feet) - pormenor
1887




















Francis Bacon
Paralytic Child Walking on All Fours (from Muybridge)
1961
Gemeentemuseum Den Haag, The Hague
- o carteiro -

por falar em besta humana, ei-lo que surge, o post sobre bestas, desta feita, animais. na verdade, se estão recordados, estou a escrever sobre bestiários. este conjunto de posts não vai abarcar todos os animais. para isso podem ir ver aqui. só acho que a minha descrição acerca de cada animal é mais completa, embora não tenha a parte das fontes, dos antecedentes, é claro. vamos então a mais um conjunto de animais: elefante, hiena, veado, macaco e cabra.

o elefante tem uma particularidade em comum com algumas pessoas: não tem desejo em copular. no entanto quando cheias, as fêmeas de elefante andam assim por dois anos e só têm uma cria por gravidez. aliás, só têm uma gravidez. E quando o elefante macho queria ter um bébé com o elefante fêmea, dirigiam-se para Leste, para o Paraíso. Já sabem, o Paraíso ficava a Leste... Aí, a fêmea de elefante dirigia-se a uma árvore chamada mandrágora, arrancava um ramo e dava-o ao seu macho (onde é que já ouvi isto?). Os dois mastigavam do ramo e ela concebia de imediato, após cópula costas com costas. Lembro-me de um filme, O Labirinto do Fauno em que havia qualquer coisa com uma mandrágora debaixo de uma cama. Acreditava-se que a mandrágora tinha propriedades afrodisíacas e que por isso era utilizada para conceber.  Também se acreditava que os elefantes viviam 300 anos...
Obviamente que esta história da mandrágora tem muito em comum com a história de Adão e Eva: tal como Adão e Eva, também o casal de elefantes prova da árvore do conhecimento - aqui o conhecimento é a descoberta de algo que estava vedado. Quando chega a hora do parto, a mãe elefante dirige-se até um lago e entra nele até a água lhe dar pelo dorso. Enquanto isso o pai elefante vigia e guarda a mãe da cobiça e maldade do dragão, de quem o elefante é inimigo. O mesmo acontece caso uma serpente passe por lá (o elefante macho mata-a) ou até com touros. A sua fraqueza são mesmo os ratos, de quem tem medo. Os elefantes nunca se abandonam ou traem: a união é para a vida.
O que mais se destaca neste animal - e que certamente deu pano para mangas na altura - é a sua tromba. O nariz do elefante é chamado probóscide (ou proboscis que quer dizer "para os arbustos" pois de facto é com este apêndice que o elefante leva folhas à boca). Os elefantes protegem-se entre si com os dentes de marfim, têm grande memória e inteligência e são gentis. Dois exemplos típicos da Idade Média: se um elefante vir um homem perdido no deserto, leva-o de volta ao seu caminho, e se se vir envolvido numa batalha - o que não é nada do seu feitio - recolhe os feridos para área segura.
Acreditava-se igualmente que os elefantes não possuíam articulações e como tal, se caíssem já não podiam levantar-se. Era por isso que dormiam de pé, encostados a uma árvore. Se desta forma o caçador não podia capturar o animal, fazia-o de outra: cortava parte do tronco da árvore e esperava que o elefante fosse dormir para, quando se encostasse, o tronco partisse, o elefante caísse e assim, sem possibilidade de se levantar, o caçador o apanhasse. O elefante, obviamente, pedia ajuda. Em seu auxílio viria outro elefante (grande e poderoso, mas que não conseguia levantá-lo), doze elefantes, também sem sucesso e por fim, um pequeno elefante que lá conseguia levantar o companheiro. Em muitas representações medievais do elefante, este surge com um conjunto de homens no seu dorso, algo que não é de estranhar pois os soldados persas e indianos faziam uso da altura dos elefantes para neles construírem pequenas torres e daí atacarem os inimigos.



















Século XI
Espanha


A maior parte das representações medievais (em bestiários) da hiena, mostram-na a comer alguém: é o corpo de um homem morto, junto de um sepulcro, lugar que as hienas habitavam para assim lhes ser possível comer pessoas mortas...Também se acreditava que a hiena era um animal quase hermafrodita: não que tivesse os dois sexos, mas conseguia a um momento ser um, e no momento seguinte ser outro. Por causa disso, eram considerados animais sujos. Tinham também outras particularidades que causavam algum asco: uma coluna (em espinha) única, rígida, razão pela qual não conseguiam rodar em torno de si próprias e por outro lado, o facto de não terem olhos, mas pedras no lugar destes, pedras essas também chamadas de hienas. Acredita-se que quem mantivesse as pedras que estão no lugar dos olhos das hienas, debaixo da língua, ganharia a possibilidade de prever o futuro. A verdade é que se a hiena rodasse três vezes em torno de um animal, ele deixaria de se poder mover, o que levava a pensar que a hiena pudesse ter dons mágicos.
Aproximavam-se de currais de ovelhas e cabras, bem como das casas dos pastores e por ali ficavam, quietas, a escutar as vozes, de forma a conseguirem imitá-las. Isso permitia-lhes assustar o pastor fazendo com que ele saísse de perto das ovelhas, ou até fazer uma delas pensar que perdeu a cria, por exemplo. Também tinham a capacidade de chorar e de rir. Se por acaso um cão de caça cruzasse a sombra da hiena ao tentar caçá-la, o resultado era ficar sem latido.
Quanto a acasalar... calculo que um animal tão mal cotado com a hiena devesse ter histórias escabrosas, neste âmbito, mas não encontrei nada sobre isso. Sei é que se uma hiena acasalasse com uma leoa, o resultado era uma leucrota; ou seja, um animal que era a mistura de vários (e não apenas aqueles que lhe dão origem) e que, pasme-se tinha uma boca de orelha a orelha. Não tinha dentes individuais, mas antes uma mandíbula (duas, na realidade).
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Misericórdia de assento
Século XV
Catedral de Carlisle, Inglaterra 
 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
leucrota
 
 
Já não tive tempo para escrever mais. fica para a próxima. beijinhos às famílias

- não vai mais vinho para essa mesa -

 

terça-feira, abril 19, 2016

estou com muito trabalho. posto amanhã, pode ser?

sexta-feira, abril 15, 2016

- ars longa, vita brevis -
hipócrates

posso dar a "minha opinião pessoal"( como se a "minha opinião" não fosse já "pessoal"...)? Posso?
Numa quase contradição com aquilo que disse ontem, a minha opinião é que o quadro não é de Caravaggio. Não me levem a mal: não quero subir acima da chinela, nem tenho anos de investigação acerca do autor, mas tenho uma opinião. não sei qual dos quadros foi pintado primeiro, mas acredito que quem pinta isto,



















Caravaggio
Judith Beheading Holofernes (pormenor)
c. 1598
Galleria Nazionale d'Arte Antica, Roma


não pinta isto



















ver aqui


a "minha" judite

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
decapita Holofernes como quem escama peixe. olhem para o sobrolho levemente carregado dela. Não morde o lábio nem faz um esgar com a boca. O esforço dela, o esforço físico que ela faz parece irrelevante face ao alcance do seu acto. ela franze o sobrolho como quem escama peixe sim, porque para ela Holofernes é quase isso: uma questão a arrumar, uma questão a arrumar higienicamente, uma questão de saúde pública. Ela tem o peito sugerido pela blusa branca, é sensual com o seu ar levemente amuado, caprichoso... a outra Judite é uma matrona (parece esta do Lorenzo Lotto), com o peito espalmado pelo espartilho (a dificuldade que devia ser matar um homem com as mamocas junto do pescoço...)... Não é nada daquilo que a Bíblia diz. A Bíblia de facto diz que Judite vestiu roupas de festa (Livro de Judite, 10: 1-4) e que se adornou com anéis, colares... Nenhuma destas judites corresponde a esta descrição, mas caramba, com qual delas gostariam de sair?
E os olhos estarrecidos da serva a olhar para a decapitação, na primeira Judite? Se estivessem no lugar dela não fariam exactamente a mesma coisa? Não olhariam para a cena em si, em vez de olharem para a vossa Senhora, neste caso, Judite? No segundo caso, Judite "strikes the pose" para o pintor, a serva olha para ela e Holofernes olha para a serva. Ou seja: ninguém olha para a decapitação!... Não mordo... é demasiado teatral. Eu bem sei que o Caravaggio tem tendência para o teatral, mas falta-lhe aqui crueldade, frieza, aquela delicadeza sádica que é necessária para escamar um peixe e arrancar-lhe a tripa! 

quarta-feira, abril 13, 2016

- o carteiro -

















Van Gogh
Fifteen Sunflowers in a Vase
1888
National Gallery, Londres
quando a minha idade era outra que não esta, eu ia com a minha mãe ao cabeleireiro. nunca fui daquelas crianças a quem a mãe cortava o cabelo em casa. no entanto o meu corte de cabelo era sempre, para mim, motivo de grande desgosto. falo disto pois hoje fui cortar o cabelo e no caminho para o cabeleireiro, as minhas pernas tremiam. tal como Sansão, a minha única força é a capilar. lembrei-me então desses Sábados à tarde - não todos, está claro, que a vida não era fácil - em que ia com a minha mãe à Da. Helga. A Da. Helga era uma senhora alemã, muito distinta que fazia jus  àquela frase que dizia (e ainda diz): "em terra de cegos, quem tem olho é rei". isto aplicado à linguagem capilar é o mesmo que dizer: "em terra de sabão azul, quem usa Sunsilk parece a cindy Crawford". A Da. Helga tinha um salão numa marquise. Talvez fosse um bocadinho mais do que uma marquise, mas era sem dúvida parte de uma casa e não a sua totalidade. Era um salão por cima dos correios, em que tudo era demorado e doloroso. Era uma tarde inteira para o verniz secar, uma tarde inteira para colocar rolos (as permanentes de caracóis apertados estavam na moda) e uma tarde inteira para fazer depilação com aquela cera quente que dava para uma dúzia de pernas cabeludas. adorava aquele cheiro a cera quente... a minha mãe usava sombra azul nos olhos e sobrancelhas muito finas. Era o que se usava e nem mesmo o facto de o salão da Da. Helga ser mais em conta o tornava menos atento às tendências. No salão da Celeste Caprichoso a coisa era a mesma, só que ela usava Wella...
A minha mãe não me deixava usar o cabelo comprido e eu sofria... Oh, como sofria! Com o meu cabelo curto à rapaz - às vezes à tigela -, eu descia a rua até casa sempre num lamento sentido. A minha mãe parava por vezes numa confeitaria e comprava-me um bolo, para me calar, acho eu. O bolo que eu escolhia era sempre o mesmo: o lenço. Sabem qual é? Aquele que fica dobrado em triângulo com creme por dentro. E eu lá ia com ela, rua abaixo, agarrada ao lenço, mas sem esquecer a minha tristeza. Já enfartada e só a lamber o creme de quando em quando, repetia-lhe todo o caminho: "não gosto deste pintiado" (eu dizia "pintiado"). Detestava aquele cabelo tão pouco feminino. Não sei se a minha mãe tinha medo dos piolhos ou que eu me tornasse vaidosa antes da idade em que isso é inevitável... não sei. só sei que quando ela não estava em casa eu ia às gavetas dela e tirava de lá uma combinação, ou um saiote, como preferirem, colocava-o na cabeça (com o elástico que devia estar na cintura, junto à raiz do meu cabelo) e eu contemplava-me ao espelho. já contei isto no blog, não vale a pena repetir.
por isso me custa tanto cortar o cabelo. penso logo "e se alguma coisa de mal acontecer? como é que me vou defender?" deve haver uma altura certa para ter cabelo comprido, e o meu tempo com ele, segundo dizem os especialistas, está a acabar. quanto mais idade tem a mulher, mais curto deve o cabelo ser. isso para mim é particularmente estranho... é que ninguém me dá a idade que tenho e também por isso ninguém liga muito ao que eu penso. quando me tento impor com sapatos de tacão alto (cuja técnica até domino bem), sinto-me como aqueles miúdos que vão cantar à Gala dos Pequenos Cantores da Figueira da Foz se devem sentir, com a gravata do pai quase pelos joelhos. Por isso sobra-me o cabelo. 

terça-feira, abril 12, 2016

- original soundtrack -
 
 
 

















Words are flowing out like endless rain into a paper cup
They slither wildly as they slip away across the universe
Pools of sorrow, waves of joy are drifting through my opened mind
Possessing and caressing me
Jai Guru Deva Om

Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world

Images of broken light which dance before me like a million eyes
They call me on and on across the universe
Thoughts meander like a restless wind inside a letter box
They tumble blindly as they make their way across the universe
Jai Guru Deva OM

Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world

Sounds of laughter, shades of life are ringing through my open ears
Inciting and inviting me
Limitless undying love which shines around me like a million suns
It calls me on and on, across the universe
Jai Guru Deva OM

Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world
Nothing's gonna change my world

Jai Guru Deva
Jai Guru Deva
Jai Guru Deva
Jai Guru Deva
Jai Guru Deva...
 
(Across the Universe, The Beatles)
- não vai mais vinho para essa mesa -

video
 
- ars longa, vita brevis -
Hipócrates
 
antes e depois ou "sinto-me tão cansada... até sonho que estou a sonhar e que alguém me acorda. e no sonho é tão difícil estar acordada... há um ano fiz umas análises e o médico disse que uns valores na tiróide estavam fora dos parâmetros, mas que era normal. mas eu sinto dores no corpo e cansaço... não deve ser normal. bem, mas não era sobre isso que queria falar. devo ter ficado embalada com a música dos Beatles e deu-me uma quebra. Quando era uma jovem adolescente, aí dos meus 13, 14 anos, fui com os meus padrinhos e primos para o Parque de Campismo da Gelfa, em Vila Praia de Âncora. E ouvi músicas dos Beatles vezes sem conta. Como a minha prima era pequenina, também ouvi a cassete da Xuxa de trás para a frente: a música do pão, do índio... enfim, eu tinha alguma vergonha, quando via os surfistas a passar lá pelo parque. estava naquela fase...
 
mas não era mesmo isto que queria escrever. trago-vos, novamente, o Van Gogh. Porque o Van Gogh é assim como a cautela e os caldos de galinha, mas para melhor; ou seja, nunca é demais. o que eu gosto no Van Gogh é uma espécie de singeleza. não sei se esta palavra existe, mas devia existir. Não é a simplicidade, é mais do que isso. É ao mesmo tempo profundo, belo, simples. Dizem que o Impressionismo é a Arte da Felicidade, como se isso fosse mau. O Van Gogh não foi um impressionista, foi um pós-impressionista: não teve de facto a paleta enjoativa do Renoir, nem os divertimentos simpáticos da burguesia como o Degas, nem o exotismo do Gauguin. Era mais sorumbático, mais ensimesmado. Não quero falar da loucura nem da orelha cortada, mas daquela espécie de misticismo sem religião que vemos nos quadros dele. Lembro-me de ter visto os Girassóis, duas vezes. na primeira, num dia de semana do mês de Março, sem ninguém à volta a respirar para cima de mim; na segunda num fim-de-semana de Agosto... nesta segunda vez, ouvi uma rapariga dizer para outra: "não acho isto nada bonito" (em inglês). Acho que elas não perceberam como o Van Gogh, os Girassóis em especial, nos coloca em harmonia com a natureza, de bem connosco. Na primeira vez que vi os girassóis, sozinha, senti-me me paz. Não, não é nada dessa cena de auto-ajuda. Senti paz pois o mundo corria na sua ordem: os girassóis eram de facto belos e não apenas uma hiperbolização dos média, dos livros, do senso comum.

 











A notícia da loucura de Van Gogh foi um exagero. É um exagero. Quando olhamos para o quadro Starry Night pensamos: chiça, o tipo andava a dar-lhe na morfina, no ópio! Mas é tudo tão mais simples... No século XIX houve um interesse muito grande pela ciência. Já sei, no século XVIII também. Mas este era diferente porque surgiu num período de prosperidade, num período em que o mundo tinha espaço para o conhecimento, em que livros e quadros eram discutidos nos jornais, nas tertúlias. Os anos que antecederam a realização deste quadro foram de descobertas incríveis: com as máquinas fotográficas é possível, e pela primeira vez, fotografar a aura solar, durante um eclipse do sol. A tecnologia associada à fotografia auxiliou esta vontade de captar o espaço, o céu. As imagens das primeiras nebulosas devem ser desta altura. E são essas imagens que Van Gogh deverá ter usado para fazer o céu delirante de Starry Night, um céu que esmaga a paisagem com o casario, tão diferente deste. O céu tem pinceladas, amplas com ritmo e forma (geralmente redonda); enquanto o casaria está pintado como um vitral, com linhas negras a separar as cores, com horizontais e verticais.
Era isto que tinha para vos mostrar. Vou para dentro. beijos e abraços, portem-se bem, façam os trabalhos de casa e comam tudo.
 
 














Van GoghStarry Night
1889
Museum of Modern Art, Nova Iorque





















Van Gogh
Starry Night (pormenor)
1889

Museum of Modern Art, Nova Iorque




The Spiral Nebula
51 M Canum Venaticorum
1889
- o carteiro -

e o Homem criou Deus... (XV)

um pouco antes da quarta cruzada, no século XII, surge em França um novo movimento: o movimento Albigense que deve o nome à cidade onde surge: Albi. Os Albigenses, ou Cátaros, opunham-se ao fausto da Igreja, isto em termos gerais, já que é muito difícil falar a fundo deste movimento pois a Igreja procurou exterminar todos os seus membros, bem como os seus escritos. Defendiam a simplicidade e a pobreza e acreditavam que existiam duas forças no mundo: uma boa e uma má. A força boa havia criado o mundo espiritual, enquanto a má, o mundo material. De acordo com os albigenses, a Terra era um lugar de castigo e o único inferno que existia para a alma humana. Para a Igreja de Roma isto era uma heresia. Entra em cena S. Domingos de Gusmão, fundador da Ordem Dominicana. Como católico que era, S. Domingos opunha-se à heresia e procurava combate-la. Mas um dia, ao visitar França fica profundamente tocado por uma cena a que assiste: partidários da Igreja Católica procuravam converter um homem, à força. Ao regressar ao seu país, Espanha, organiza e prepara um grupo de homens com o objectivo de saírem pelo mundo fora a pregarem e salvarem as almas dos homens perdidos. Este grupo vivia na pobreza, com o mínimo, e procurava combater as falsas doutrinas através dos argumentos e não pelo uso da força. Ficaram assim conhecidos por Ordem dos Pregadores ou Ordem Dominicana.
 
[uma petite histoire: um dia São Domingos encontra-se em Roma com o Papa Honório III. esse encontro tinha como objectivo levar à legalização da Ordem Dominicana. O Papa empreende então, com São Domingos, uma visita pelos tesouros do Vaticano e durante essa visita guiada cita-lhe o Acto dos Apóstolos, capítulo 3, versículo 6 ("Mas Pedro disse-lhe: «Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho, isto te dou: Em nome de Jesus Cristo Nazareno, levanta-te e anda!»"), acrescentando que agora Pedro já não podia dizer que não tinha ouro nem prata, pois a prova que tinha, estava à vista! São Domingos responde-lhe que não, não podia dizer que não tinha ouro nem prata, mas também não podia dizer "levanta-te e anda".]
 
Falo de São Domingos para introduzir aqui outra pessoa. Sim, São Domingos levava uma vida austera, mas tinha uma natureza gentil e generosa. Numa ocasião vende os seus livros, anotados por si, para ajudar os pobres. Numa outra tenta vender-se para libertar cristãos feitos reféns por muçulmanos. Um dia vê um pedinte e diz-lhe "tu és meu companheiro, deves caminhar comigo. Nenhum poder terreno pode separar-nos." Esse pedinte era São Francisco de Assis. São Francisco era filho de uma família rica, mas preferiu viver na pobreza. Isto para nós pode parecer mais ou menos normal... pensamos só que essas pessoas são hippies... mas numa altura em que a riqueza era sinónimo de proximidade de Deus, negar essa riqueza era revolucionário. Diz a história que São Francisco foi um dia ter com o Papa Inocêncio III, o Papa mais poderoso que alguma vez existiu, solicitando-lhe autorização para fundar uma nova Ordem. O Papa responde-lhe "cheiras como um porco. cheiras tão mal que pareces um porco. vai viver com os porcos". E foi isso que S. Francisco fez. S. Francisco rolou no esterco de uma pocilga e voltou à presença do Papa dizendo: "Santo Padre, fiz o que pediu. Agora atenda o meu pedido". O Papa, tocado por aquele acto, concede-lhe autorização para criar uma Ordem religiosa.
 
Ao contrário dos monges que os precederam, os franciscanos e os dominicanos levam a palavra de Deus directamente às pessoas e não as recriminam pelo seu estado de pobreza. Aliás, louvam-no. Até as mulheres, tão reprimidas quando a Igreja adquire a mesma estrutura das instituições políticas, descobrem novas formas de expressar a sua Fé. Entre elas formam-se grupos tão informais que nem sequer podem ser considerados uma nova Ordem. Às vezes são apenas umas quantas mulheres que partilham casa numa cidade ou vila e dedicam o seu tempo à oração, à devoção e a trabalhos de caridade quando até aí as mulheres podiam apenas servir a Igreja tornando-se freiras ou permanecendo virgens (nas palavras de um dos pais da Igreja - São Jerónimo - só pela virgindade é que as mulheres se tornavam "homens honorários".)
 
Para a próxima, exploro a questão dos albigenses.  
- o carteiro -

[1]
o posteritati é um site de venda online de posters de filmes. até aqui, nada de estranho... mas e se esse site tivesse não só os posters originais, mas também os posters dos filmes em outros países, como por exemplo:
Anna e Suas Irmãs de Woody Allen em checo (de Mylan Grigar) - 1986



















8 e 1/2 de Fellini em polaco (de Andrzej Pagowski) - 1980's




















As regras do jogo de Jean Renoir, em americano - 1960's





















[2]
Depois do Van Gogh Museum ter colocado online 902 cartas de Van Gogh (na maior parte, ao seu irmão Theo), é agora possível comprar a compilação, em livro, dessas cartas que muitas vezes vinham acompanhadas por desenhos. na Amazon, claro...












[3]
brincando aos clássicos com Kiszkiloszki. Aqui

[4]
O nome dele era Sacha Guitry, filho de um actor francês e também ele actor, para além de realizador. Sacha ficou conhecido por um episódio singular: quando os alemães começaram a propalar a suposta superioridade germânica, Sacha não se ficou e filmou o Ceux de Chez Nous, onde dá a conhecer ao mundo os grandes nomes de homens e mulheres das artes francesas. Pediu a Renoir para filmá-lo e este, já muito atacado pela artrite, cedeu. O resultado está aqui. Para este filme convidou também Monet, e Degas que não aceitou ser filmado. Um dia, Sacha colocou a sua câmara na rua e filmou, por um brevíssimo espaço de tempo, um Degas já cego, a descer a rua na companhia de uma senhora. 




sexta-feira, abril 08, 2016

a migração da joana vasconcelos tem o apoio das lãs brancal

quarta-feira, abril 06, 2016

- não vai mais vinho para essa mesa -

há dois tipos de homens com quem nunca poderia ter uma relação: os que fazem tuning e os que são neonazis. para estes últimos, um beijinho repenicado nas bochechas pálidas de quem não apanha sol por ter medo de ficar mais tostadinho do que aquilo que o arianismo permite e por aí em diante...

terça-feira, abril 05, 2016

Ah... se o John Le Carré soubesse o que sabe hoje...

segunda-feira, abril 04, 2016

- original soundtrack -

wow!!! gosto dela! e dele também, claro!











(Mysteries of the macabre, Ligeti)
- não vai mais vinho para essa mesa -

a minha páscoa passou tão depressa. quando me apercebi, Jesus já tinha ressuscitado.
video


 
- o carteiro -

e o Homem criou Deus... (XIV)
 
olá a todos, como estão. Vamos continuar? Tínhamos ficado nas cruzadas e no insucesso das duas primeiras cruzadas que se pautaram pelos saques e chacinas. Mas o episódio mais notório das cruzadas deve ter sido o saque de Constantinopla. Nesta altura, Constantinopla era a sede da Igreja Ortodoxa. Entre Ocidente e Oriente as relações eram, como se sabe, turbulentas. No ano de 1202 Jerusalém estava perdida para os cristãos, pertencendo então aos muçulmanos. O papa Inocente III convoca mais uma cruzada para tomar a cidade. Mas como está bom de ver, após cerca de 100 anos de cruzadas, a Europa está cansada.
Convém introduzir aqui uma personagem não muito conhecida. O seu nome é Enrico Dandolo, de 95 anos. Enrico era o doge de Veneza, era um mercador quase cego e que estabelecia muitas trocas comerciais com os muçulmanos. Dandolo assinalado pelo rectângulo verde:













Paolo Veneziano
Doge Francesco Dandolo and his Wife Presented to the Madonna
1339
Santa Maria Gloriosa dei Frari, Venice


Interessava-lhe por isso manter relações cordiais com estes, em vez de lutar contra eles. Um dos seus pontos de interesse para o comércio era justamente a cidade de Constantinopla onde Enrico havia perdido o tal olho, una anos antes. Dandolo, dando cumprimento à convocatória papal, aceita transportar alguns homens para mais uma cruzada a troco de uma larga soma de dinheiro. (A Europa embora cansada das cruzadas, acorreu ao chamamento papal.). Enrico tem porém uma "carta na manga": Ele sabe que cerca de metade dos cruzados não tem dinheiro para esta empreitada. É então que o doge propõe levá-los - apesar deles não terem dinheiro - se estes saquearem Zara, uma cidade do Mar Adriático, antiga possessão veneziana, cidade cristã. Se estes cruzados conquistassem Zara, várias coisas aconteciam: Veneza recuperava uma antiga possessão - e o doge, enquanto representante de Veneza, ficava bem visto; o doge amealhava para si os despojos de guerra; o doge, enquanto mercador, conseguia um território até aí concorrente com Veneza, o que quer dizer que conseguia mais negócios... Para além disso, Enrico Dandolo colocava cristãos contra cristãos. Zara, ainda que não na mão dos cristãos, era uma cidade cristã. Pois isso ofende alguns cruzados. Outros, convencidos que os fins justificam os meios, tomam a cidade, restauram o papel do imperador bizantino que havia sido destituído e exigem em troca - e em nome da causa que defendem - mais 10.000 cavaleiros e a promessa que a Igreja Oriental se iria subjugar à Igreja Ocidental.



















Tintoretto
Conquest of Zara
1584
Palazzo Ducale, Veneza


Mas quando os cruzados devolveram o imperador ao trono, descobriram que este não podia dar-lhes nem os cavaleiros, nem a submissão da Igreja. Para Enrico era indiferente haver ou não submissão... O doge aproveita a oportunidade e a presença dos cruzados na cidade para esmagar os seus rivais em Constantinopla. Durante 3 dias os cruzados sitiaram e pela primeira vez na História, Constantinopla é tomada. Os cruzados mataram, destruíram, violaram e, claro, roubaram, principalmente tesouros e relíquias que, por vezes retirados das Igrejas pelo próprio clero. O saque de Constantinopla choca a cristandade e o Papa Inocente III, que convocou a cruzada, reage com fúria, excomungando os participantes na mesma. No entanto, o Papa não resiste à tentação de ter uma Igreja unificada sob a sua autoridade suprema. Constantinopla permanece ocupada por 60 anos e o Oriente não recupera o poder e glória que um dia teve. Entretanto, e a Ocidente, a Cristandade vai expandindo-se, ainda que sempre numa luta entre luzes e treva, entre razão e misticismo.
- o carteiro -

de bestial a besta
 
olá outra vez. não, não estou a chamar-vos bestas. credo, não! mas que as hay, hay! e de facto, este blog passou de bestial a besta. e eu também. desculpem lá a maçada...
 
dando continuidade ao mesmo pequeno estudo sobre bestiários, apresento-vos aqui outras bestas curiosas. Convém dizer neste ponto uma coisinha (até vou fazer parágrafo, só por causa das coisas. "que coisas", perguntam vocês. "não sei", respondo eu)
bestiários houve muitos, mas o que se observou foi que eles tinham quase sempre a mesma estrutura; ou seja: em primeiro lugar estavam as bestas (bestas era o nome dado aos animais selvagens ou domésticos, mamíferos, segundo me parece) e dentro desta categoria, o grande destaque ía para o leão. O leão é um símbolo de coragem e por isso é um símbolo de Cristo. Seguiam-se outras feras do mesmo tipo como o tigre e o leopardo e todas as outras reais ou imaginárias, como a lebre (que só aparece nos bestiários a partir do século XIV) ou o unicórnio. O unicórnio é um caso daqueles... a bíblia, segundo algumas traduções fala do unicórnio (ou do animal com um chifre), mas não há qualquer vestígio de que alguma vez tenham existido unicórnios. O unicórnio da Bíblia era provavelmente uma criatura menos estranha do que se imagina. Talvez fosse um animal com dois chifres, mas visto de lado, como de lado eram muitas das representações artísticas de animais, como os Lamassu (vimos imagens destas criaturas fantásticas quando o ISIS destruiu Palmira). As escrituras originais mencionam o termo re'ém nove vezes. Re'ém, em hebraico, era a palavra para dizer qualquer coisa como um auroque, animal que já não existe. Só que outras versões da bíblia traduziram re'ém por monokeros (um único chifre). Daí passou-se para unicórnio e rinoceronte. A bíblia dos Capuchinhos que é, na minha opinião, a melhor tradução para português actual, que por aí anda, não usa, em nenhuma daquelas nove ocasiões que referem, em outras versões, o unicórnio (Job 19:9-12; Isaías 34:7; Salmos 19:6; Salmos 22:21; Salmos 92:10; Números 23:22; Números 24:8 e Deuteronómio 33:17), o termo. Depois dos mamíferos, tínhamos as aves, sendo que a águia era o animal mais icónico deste grupo, posteriormente os répteis, cujo grande representante era o dragão e os peixes, com a baleia à cabeça. É de salientar que nem todos estes animais eram símbolos do bem; alguns representavam o diabo, como o macaco (parecidos com os humanos, enganadores), a raposa (matreira), o lobo, o asno, a perdiz, o dragão e a baleia... Ou seja, o facto de encabeçarem alguns grupos não faz destes animais símbolos do bem.
Alguns animais fazem parte dos bestiários de forma secundária; ou seja, começaram a ser desenhados nas margens dos manuscritos por monges copistas após, provavelmente, longas horas de leitura e visualização de bestiários. Um exemplo é a loba morde a própria pata.

A grande excepção a todos os animais é o leão, príncipe de todos os animais, rei da selva! O leão, como se sabe, é conhecido pela sua coragem. Dizia-se que os leões, não obstante serem animais corajosos, temiam o som das rodas a ranger, os incêndios, o fogo, mas também os galos brancos. Os cientistas - da Idade Média - diziam que os leões tinham três características principais: gostavam de explorar e vaguear pelas altas montanhas (desta forma o odor dos caçadores chegava mais rapidamente até eles e o desta forma eles podiam apagar o rasto das suas pegadas (patadas) com a cauda; quando dormem, os leões mantêm os olhos abertos e quando uma leoa dá à luz as suas 3 crias, todas elas estão mortas e permanecem mortas por três dias, até o pai, chegado no terceiro dia, respira para as suas faces e dando-lhes espírito e vida. Da mesma forma, Deus insuflou com vida Jesus Cristo morto, após três dias. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Anónimo
Bestiary
cerca de 1190
Bodleian Library, Oxford
 
Os leões pequenos com juba encaracolada eram pacíficos, os maiores e com juba lisa eram mais ferozes... As relações entre leões e homens era também muito fantasiada: achava-se que os leões aceitavam e poupavam os proscritos; permitiam aos homens de outros reinos voltar para casa sem serem capturados, caçavam mais os homens que as mulheres e nunca comiam uma criança, a menos que tivessem fome. Os leões também nunca comiam demais: comiam e bebiam dia-sim dia-não e caso, algum leão mais guloso comesse demasiado, este leão levaria as patinhas à boca e extrairia a carninha. Ah... e eram esquisitos: não comiam sobras do dia anterior! Muitos animais ficavam paralizados pelo rugido do leão. Quando doentes, os leões procuravam comer macacos. é assim!

 
O tigre recebe o nome da velocidade que atinge. Sabe-se que os gregos e os persas denominavam as suas setas de tygris. O que de mais notável se contava, nos bestiários - e penso que fora deles também - era que a tigresa (e não "tigressa", isso é em brasileiro) quando descobria que uma das suas crias tinha sido roubada, imediatamente se punha em busca do ladrão. Mas este, vendo que mesmo a fugir num cavalo podia ser alcançado pela trigresa, inventava uma manha... Ele atirava uma esfera de vidro (sim, porque os ladrões andam com esferas de vidro) e a tigresa, enganada pelo seu próprio reflexo na bola, assumia que a imagem no esfera era a imagem da sua cria. Ficava portanto para trás até descobrir o engano, altura em que continuava a perseguição ao ladrão. Este, vendo que a mãe, não obstante o atraso, estava a alcançá-lo, atira uma segunda esfera de vidro à tigresa que mais uma vez, e não guardando memória do engano anterior (porque as mães são assim...), fica novamente para trás tentando amamentar a cria. É caso para dizer que perde pau e bola; ou seja, nem fica com a cria nem se vinga do ladrão.


 









British Library, Londres

Quando o leopardo come e se sente satisfeito, afasta-se para a sua cova e dorme. Após três dias acorda e emite um arroto muito ruidoso que exala um cheiro doce. Quando os outros animais ouvem o seu arroto e sentem o cheiro doce que sai doce que sai da sua boca, seguem-no. Apenas o dragão não o faz por ser seu inimigo, fugindo, com medo, para a sua caverna. Aí, incapaz de suportar o doce aroma da boca do leopardo, o dragão torna-se letárgico e permanece imóbil até que morre. A verdadeira pantera que é Nosso Senhor que nos arrebatou do poder do demónio (dragão) ao descer dos céus. Os leopardos apenas têm crias uma vez pois quando estas tentam sair do útero da mãe, fazem-no golpeando-o com as patas o que o danifica. As outras ninhadas subsequentes não conseguem por isso vingar.
  














 British Library, Londres

O antílope é um animal privilegiado, já que nenhum caçador consegue sequer aproximar-se dele. Tem longos chifres em forma de serra, de tal forma que até pode cortar grandes árvores! Quando tem sede, o antílope segue até ao rio Eufrates e bebe dessa água. Ora, existe nessa zona, na zona do Eufrates, um arbusto chamado Herecine que tem longos galhos e com os quais o antílope brinca, fazendo passar os seus chifres por aqueles galhos. Ao fazê-lo, galhos e chifres ficam entrelaçados e o antílope não consegue libertar-se. Vendo-se preso emite um bramido que alerta os caçadores que assim conseguem capturá-lo e matá-lo.
 
 
O unicórnio era, segundo os bestiários medievais, um animal muito pequeno, do tamanho de uma criança, extremamente rápido e com um único chifre na testa. Nenhum caçador conseguia apanhá-lo, a não ser pelo seguinte estratagema:
Guiava-se uma virgem, sozinha, para perto do local onde o unicórnio vivia, no meio dos bosques. O unicórnio, vendo a virgem, rapidamente saltava para o seu colo e aninhava-se nele, sendo por isso facilmente apanhado. Jesus era de certa forma um unicórnio, desta feita, um unicórnio espiritual. Tal como o unicórnio tem um único chifre, também Cristo e o Pai são um só. É também uma espécie de unicórnio espiritual pois nada nem ninguém conseguia detê-lo: nem os Tronos, nem as Dominações (com letra maiúscula pois trata-se de anjos), nem o Inferno podiam apanhá-lo ou prendê-lo. Apenas a vontade do Pai o fez vir à Terra através de uma virgem, para nossa salvação.
Apesar de tudo isto, o unicórnio podia lutar com outros animais, principalmente com elefantes, que vencia ferindo-os no dorso. 
















Domenichino
The Maiden and the Unicorn
c. 1602
Palazzo Farnese, Roma

 
(continua)