domingo, março 24, 2013

- não vai mais vinho para essa mesa -

um destes dias o paulo chegou junto de mim e disse: "toma. prá você!" (O paulo é brasileiro, convém ler com sotaque). pousou à minha frente três maços brancos identificados exteriormente por um cartão com o meu nome, email, número de telemóvel e endereço da revista online para a qual escrevo. Lá dentro estavam 300 cartões como este:





















e nesse instante senti uma alegria estúpida. senti-me talvez, importante ou reconhecida. 
e logo depois pus-me a pensar: "rapariga, tu não conheces 300 pessoas". ainda que conhecesse, não teria coragem para andar assim a publicitar-me. isso parece um bocado infantil como quando éramos novos e a nossa peça saía no jornal da escola. tínhamos de vender o jornal a toda a família que se mostrava muito interessada. ou parece que estamos a brincar às pessoas importantes. para além de ser ridículo: quando alguém que conheço me oferece um cartão só dá vontade de dizer "deixa-te de parvoíces! eu conheço-te." bem sei que para quem me lê isto pode parecer falsa modéstia, mas honestamente, aquilo que eu faço, às vezes nem a mim interessa quanto mais aos outros. pois então "de modos que" não sei o que fazer a 298 cartões (dei um ao pai e outro à mãe!)

2 Comments:

Blogger alma said...

Guarde um cartão para mim (S M I L E)

24/3/13 4:59 da tarde  
Blogger beluga said...

Ui... guardo quantos quiser, para acender a lareira. não sei o que fazer com tantos.

27/3/13 12:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home