sexta-feira, abril 06, 2012

- ars longa, vita brevis -
hipócrates

antes e depois ou como poucos minutos separam estes dois quadros. Certo dia estava Manet em casa de Monet a ver a família no jardim quando chegou Renoir. Renoir - que se calhar não queria deixar os seus créditos em mãos alheias, ou que andava pegado com Manet ou que simplesmente estava a passar uma crise de criatividade - pediu ao dono da casa uma tela e material de pintura para retratar o mesmo momento familiar que Manet. Claro que, na impossibilidade de estar no mesmo local de Manet, Renoir posicionou-se ao lado, o que fez com que a mesma cena tivesse duas perspectivas. O menino e a mãe mantiveram-se mais ou menos na mesma posição, mas o galo definitivamente resolveu dar uma voltinha e o ar da sua graça. Também as cores parecem diferentes. Não sei se é uma coisa da reprodução ou se é do computador, mas mesmo que não tenham esta diferença toda (com Manet parece que a família está à sombra e em Renoir parece que mãe e menino ao sol), devem ter na realidade diferenças cromáticas, isto porque seria impossível dois pintores conseguirem exatamente o mesmo tom de verde. Além do mais, devem as diferenças de posicionamento e da hora a que começaram a pintar (Renoir mais tarde que Manet) devem ter ocasionado diferenças ao nível da luz que a mesma cena tinha nas duas situações. Mas não é só isso. Renoir foca mais a cena no núcleo familiar (mais o galo!) e Manet prefere uma visão mais global que abarcou o jardineiro e que dá uma noção de profundidade. Não sei se é talvez por esta personagem, mas entre as duas pinturas diria que a primeira tem uma sugestão de movimento que a segunda não possui. A obra foi pintada em Argenteuil numa altura em que Manet ajudava financeiramente Monet. Diz-se que Manet, depois de ter visto o trabalho que Renoir estava a fazer, voltou-se para Monet, o dono da casa e disse qualquer coisa como: "é melhor o seu convidado desistir". Para consolar Renoir (ou não), Monet ficou com o quadro deste pintor.
E os picuinhas, que pintaram a mesma cena, deram títulos diferentes aos quadros:
Manet
A família Monet no jardim
1874
Metropolitan Museum, Nova Iorque


Renoir
Madame Monet no jardim
1874
National Gallery of Art, Washington

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Bom dia.Gosto muito do seu Belogue. Um dia destes apresento-me, se me passar a timidez.
Também gosto muito do Renoir, por isso dou sempre atenção às coisas dele, mesmo quando aparentemente são menos boas. Neste quadro gosto sobretudo do galo, um símbolo do que há-de de ser o menino quando fôr grande e assim... Fazer isto alla prima é obra. Assim se é gentil para o anfitrião, etc...

10/4/12 10:37 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Desculpe... há de. Eu que já era tímido, agora fico completamente inibido

10/4/12 9:10 da tarde  
Blogger beluga said...

Caro anónimo:
hoje, antes de ler o seu comentário estava a acabar de ter mais uma desilusão com amigos. mas quando li pensei: "se alguém gosta do blog é porque eu não sou assim tão má pessoa". nem sempre o pensamento pode ser tão direto: há gente que é execrável, mas faz coisas boas.

Não precisa de se apresentar. Caso não se sinta à vontade pode permanecer no anonimato.

Quanto ao Renoir... aí é que a "porca torce o rabo". é que de todos os impressionistas ele é - acho eu - o que menos gosto. Desculpe! Gosto muito do Manet, principalmente deste quadro http://www.nationalgallery.org.uk/paintings/edouard-manet-woman-with-a-cat
Mas porque gosta do Renoir, o próximo "ars longa, vita brevis" do belogue, vai ser dedicado a esse pintor.

Volte sempre

11/4/12 1:08 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home