quinta-feira, outubro 15, 2009

- o carteiro -
Deverá existir em alemão uma palavra para falar desta ponte temporal entre o passado e o presente na arte, uma vez que em alemão há palavras para tudo. Sugiro Brückedazwischenpräteritumpräsens (brucke=ponte, dazwischen=entre, präteritum=passado, präsens=presente), mas como tem muitas letras, deixo antes Vergangenheitsbewältigung que significa “reconciliar-se com o passado”. E eis que o presente representado aqui pelo Turner Prize se encontra com o passado datado de 1987. Em 1987 o artista Tim Head pintou o retrato de várias vacas inspiradas nas vacas de Liz Leyh em Milton Keynes. Ao longe parece um lindo padrão de papel de parede, mas ao perto são vacas ou melhor, a imagem vaga de vacas inspiradas nas ilustrações de pacotes de leite da cadeia de lojas Sainsbury's, que por sua vez se inspiraram nas vacas de Liz Leyh. Quem vê a imagem percebe que por trás destas vacas está uma recordação de infância, vinda dos referidos pacotes de leite. A pintura dá-lhes um ar abstracto, dá-lhes nova forma e retira-lhes o aspecto familiar. E este quadro tem uma vantagem face à Pop Arte, para quem alegar que é apenas Pop Arte: ela aproxima-se de algo nobre que poderia cobrir as paredes de residências respeitáveis.

Tim Head
Cow Mutations
1987

Presentemente pode ser comparado ao Turner Prize. Antes dos galardoados, a Tate Britain organiza uma exposição com os finalistas e convida o público a falar das suas diferenças e semelhanças. Este ano o quatro finalistas são Roger Hiorns, Enrico David, Lucy Skaer and Richard Wright (onde é que estão as mulheres?). Entre eles há semelhanças: trabalham com marcas de água, ou stencil ou mesmo padrões. Aliás, diz-se que não há vários trabalhos nesta exposição, mas apenas um grande e longo trabalho que é a soma das propostas destes artistas que se assemelham tanto. Richard Wright, o último da lista é aquele que terá menos probabilidades de ganhar o Turner Prize uma vez que o seu trabalho é lacónico: ele pega numa grande sala e tacitamente enche a parede de folha dourada (a mesma que se usa para a talha) de forma a criar padrões e por consequência um oneroso papel de parede em que o elemento base do padrão é gigantesco face à ideia de padrão.

Richard Wright
Wall markings
2009

5 Comments:

Blogger João Barbosa said...

du bist einen grossen criativen! isto é alemão e do bom... até a tratei por tu e tudo... grande lata! ;-D

14/10/09 11:23 da tarde  
Anonymous ana said...

Brückedazwischenpräteritumpräsens

genial :)
lembra-me outras vidas
bjs

15/10/09 12:12 da tarde  
Blogger beluga said...

Caro João Barbosa:
Se isso for um insulto, eu rogo-lhe uma praga!. Fui ver (não, não era a neve) e parece-me ser "Tu és muito criativa". Estou certa?

Como é em alemão, é uma lata de budweiser!

Ana:
Olá, tudo bem contigo. não temos falado, não é? Eu sei, mas sou sempre eu a ligar aos outros e às vezes farto-me.

Estas palavras lembram um certo ano de escola, numa certa universidade, numa certa disciplina, com uma certa professora. E foram bons tempos. Pelo menos a gente ria-se com a quantidade de termos germânicos por frase. Aquilo é que era "bolsar" saber. beijos.

16/10/09 1:46 da manhã  
Blogger João Barbosa said...

budweiser é checa

16/10/09 11:47 da manhã  
Blogger beluga said...

caro joão barbosa:
shame on me!

19/10/09 1:13 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home