quinta-feira, junho 04, 2009

- ars longa, vita brevis -
hipócrates

antes e depois ou como "tudo o que se ignora, se despreza (Sófocles) ", ou como "ainda há pouco tempo perguntaram-me: "gostas de fotografia?". Ao que respondi "sim". E que apesar de não ter muitos conhecimentos de nomes, gostava de fotografia de moda, de Ellen von Unwerth, de Tim Walker, Eugenio Recuenco, Helmut Newton e outros... Valha-nos santo Onofre que "caiu o carmo e a trindade": "Que não", "que ai Meu Deus", "Que ela é fútil", "Que bonitas são as fotografias de barcos a desmaiar ao pôr-do-sol, e de gaivotas a rasar a água". Pois eu acho que mesmo nas coisas ditas fúteis estão nos pequenos pormenores que separam os que olham dos que vêem. Por alguma razão a fotografia é arte e por alguma razão a moda, em certos casos também é arte.

No vídeo "Justify my love" da Madonna ("Ai Meu Deus, que ela é parola e gosta da Madonna"), o responsável foi Mondino. Não sou apreciadora da estética de Mondino, mas sei uma coisa: a Madonna pode não ser grande cantora, mas é uma grande artista e tem uma boa equipa atrás dela. O trabalho de Mondino para este vídeo está muito bom. É a prova de que 20 anos após o lançamento da música, Madonna continua tão actual como antes. O vídeo foi banido da MTV por conter cenas de sexo (considerado) explícito e por fazer alusões à homossexualidade, às orgias e ao voyeurismo. Ah... e ao Cristianismo que sendo muito bom para o povo, não se pode misturar com os outros "ismos". (Quem estiver atento nota que no vídeo aparecem pelos menos três crucifixos). A fórmula parece banal, mas na época foi chocante: uma mulher de roupa interior rendada e cinto de ligas a beijar vários homens e mulheres, a simular cenas de sexo, letra que, não fazendo muito sentido, sussurrada até parecia mel... Foi tão polémico que a cantora decidiu fazer um vídeo em VHS e vendeu-o como single. Até hoje foi o single neste formato mais vendido de sempre. Hoje, as princesas e as duquesas da pop continuam a aparecer despidas. Mas depois do preto/branco da Madonna a realeza pop apenas consegue esgares de cupidez e concupiscência já adivinhados. A fórmula é vencedora, não tenhamos dúvidas; é a prova que as pessoas emprenham pelos olhos, mas já não é a mesma coisa.
Quando o Mondino criou o vídeo não pensou apenas na Igreja Católica e no corpo da Madonna e no facto de a música não ser cantada mas suspirada. Pensou também no cinema italiano e mais concretamente neste filme: "Il Portiere di notte" de Liliana Cavani. É um filme italiano de 1974 com Charlotte Rampling fala de uma Europa pós-nazismo e em reconstrução, passando pelas transgressões sexuais como forma de sobreviver num meio que já não é o de guerra por intervenientes que apenas viveram das atrocidades que cometiam.


Liliana Cavani
Il Portiere di notte
1974



Madonna
Justify my love
1990


Liliana Cavani
Il Portiere di notte
1974



Madonna
Justify my love
1990

3 Comments:

Blogger Ji|||i said...

com este post, só me apetece mesmo é ouvir a musica como se da primeira vez se tratasse. justify my love. i love u so much. and dont ask me why

4/6/09 11:22 da manhã  
Blogger João Barbosa said...

apoio a Madona e a Sª Dª Beluga não é nada parola. Deixe-se de coisas... Os complexados que se calem, pois Madona é vitamina para a alma.
.
desconhecia que o vídeo tinha sido banido da MTV.

4/6/09 4:56 da tarde  
Blogger beluga said...

Ola babe:
quando descobrimos estas coisas até parece que as músicas são melhores, não é? love u

Caro João Barbosa:
seu maroto... apoia a Madonna na mensagem final do vídeo? Eu gosto da Madonna, sempre gostei. Pode não ser uma voz excepcional, mas marca uma época, é desempoeirada, é criativa. Também é exibicionista e arrogante, mas se não fosse assim não seria a madonna. Compreendo que muita gente não goste da música, mas não se pode negar que ela é um marco.

5/6/09 12:14 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home