quinta-feira, setembro 10, 2015

- o carteiro -

queria escrever algo, mas não encontro nada bom para dizer. é ver as imagens que sempre são melhores do que qualquer coisa que eu possa dizer. reparei nisto um destes dias, nas minhas investigações.

















Degas
Dancers Practicing at the Bar
1876-77
Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque


















Degas
Dancers Practicing at the Bar (pormenores by beluga)
1876-77
Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque

7 Comments:

Anonymous intruso said...

um regador, numa academia de ballet? Pensei que as bailarinas praticavam em salas com soalho de madeira. Creio que é nas touradas (?) que se costuma regar a areia da arena, quando está muito calor.

12/9/15 3:47 da tarde  
Anonymous intruso said...

Ou é "limpar" a arena, colocando mais areia (para encobrir as manchas de sangue)? Ensopar a areia ou deitar nova areia na areia ensopada de sangue? - a minha memória já não é o que era, os pensamentos confundem-se, as imagens baralham-se: é uma cena do filme Ben-Hur durante as corridas no Circo Máximo, os aurigas derrubados do carro vêm os seus corpos trucidados pelas rodas, o sangue escuro e grosso ensopando a arena? Ou é o Cristo que, de costas para a câmara, dá de beber a um Charlton Heston prostrado? Sangue, água… pó. (É isso, a água usa-se para “regar” as estradas!, combater o pó que se levanta nos dias de calor seco, especialmente no Texas e Arizona. Mas isso é nos os westerns, claro, e não nos peplum).

12/9/15 4:13 da tarde  
Anonymous ana said...

ai beluga adorei. simples mas lindinho.
intruso, não posso deixar de reagir à sua intensidade. por mim, pode voltar, está convidado.

12/9/15 9:11 da tarde  
Blogger beluga said...

Caro intruso:

Não sei... é estranho o regador, mas a composição também é estranha. Tudo se desenvolve ma metade superior e com tendência a subir da esquerda para direita. Desconheço se o regador serviu apenas para mimetizar o movimento de pernas da bailarinas ou se seria um objecto usado por qualquer razão. Convinha ver como era o funcionamento de uma escola de dança: elas têm um ar bastante profissional, mas talvez as aulas fossem em espaços partilhados, espaços dedicados à dança e a outras actividades e daí a presença do regador.
Posso aconselhar-lhe algo? Matera, em Itália. É uma cidade que vale a pena visitar até 2019, ano em que será capital europeia da cultura. Foi aí, nos/nas sassi que foram filmadas as cenas mais conhecidas do Evangelho Segundo São Mateus do Pasolini, um outro sobre Cristo, com o Mel Gibson e o Ben-Hur. Tem tudo para fazê-lo viajar no tempo.

12/9/15 11:32 da tarde  
Blogger beluga said...

Olá Anita:

(Já tens aquilo no email. Obrigada!)
É de facto um apontamentozinho singelo, como são os quadros do Degas.
Agora uma coisa completamente diferente:
Estava a ler umas coisas e vi este artigo, de um jornalista (não sei se é jornalista, mas vou partir do princípio que sim) cujos textos adoro. Fez-me lembrar quando andámos na biblioteca à procura da Poética do Aristóteles, por causa do Nome da Rosa. O link que te envio é, como diria uma personagem queirosiana ao estilo Dâmaso Salcede, "de estalo, menina".(Acabei de ler "A Capital"; ainda estou com as expressões do século XIX muito vivas)
http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/o-defeito-eco-1706620

12/9/15 11:40 da tarde  
Anonymous ana said...

eh pá sinto-me burra. mas pelo menos, também um pouco aliviada por nunca ter feito nenhuma incursão por terras da semiolândia. ufa, ao menos esse pecado me foi poupado até ao momento. eu só li o nome da rosa. gostei da história, mas achei a escrita chata. filme do pasolini nunca vi nenhum, pronto, sinto-me burra outra vez.

14/9/15 2:27 da tarde  
Blogger beluga said...

Não te preocupes ana. Eu também me sinto burra todos os dias, várias vezes ao dia. Vi o "Evangelho..." do Pasolini no youtube...
Adeuses

15/9/15 7:42 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home