segunda-feira, dezembro 17, 2012

Mais 1,400Kg. Mais 1,400Kg num mês. Obviamente sinto-me um nojo, uma pessoa nojenta. Não sei porque é que o meu corpo faz isto. É como se ele não me obedecesse. Como é que eu vivo com isto? Como é que vou sair de casa com isto? Ainda se eu soubesse para onde foi esse peso. Não foi para as mamocas, nem para o rabiosque e nem é peso de cocó. Deve estar nas costas, a fazer regueifa. Como é que o meu corpo me faz isto? Não como doces, nem fritos, nem pão branco há 15 anos. Há 15 anos, merda! Eu sou mesmo um puta estúpida por acreditar no médico. Bebo três litros de água por dia, faço exercício seis dias por semana, todas as semanas, todos os meses, durante 15 anos! Que nojo. Ainda se eu fosse uma cabra com o corpo, mas não. Estúpida todos os dias. E mais nojo tenho dos outros que me vêm passar a mão pela cabeça dizer : "estás compostinha". Eu não quero estar compostinha, quero gostar de mim. E se é verdade que isso não acontecia quando tinha 30Kgs, também é verdade que não acontece agora. Merda, estou a chorar. Merda, merda merda. A minha vontade é cortar o rabo todo. Fatiá-lo como se fosse fiambre. Que raiva. Que raiva e que vergonha. É que eu nem percebo para onde foi o peso. 

14 Comments:

Anonymous Anónimo said...

És linda com 30kg ou com 1,400 a mais.

Esquece o corpo e a escravatura que ele te impõe. Exige-lhe o descanso que mereces.

Gostares do que vês só depende de ti, com ou sem regueifas nas costas. Tens uma mente brilhante, um carácter genuíno e uma face linda.

Não bebas 3l de água, não faças exercício, come doces se te apetece. E se a mente, não o corpo, te disser o contrário, manda-a à merda.

Coragem, e por favor, não faties o rabo.

19/12/12 11:57 da manhã  
Anonymous ana said...

subscrevo o anónimo em cada letra. e estamos aqui, pras curvas.

19/12/12 1:45 da tarde  
Blogger António Machado said...

http://www.youtube.com/watch?v=Je6bytPMdDs
espero que goste
um abraço

19/12/12 9:38 da tarde  
Blogger alma said...

Beluga,
Essas kilogramas alojaram-se na sua alma...

Não beba tanta água e descontraia.

Não sei o por quê,mas, parece-me que está com falta de visão
já pensou comprar uns óculos para ver ao pé ?!

19/12/12 9:49 da tarde  
Blogger beluga said...

Eh pá...
Anónimo: não quero que me passem a mão pelo pêlo (não sei se ainda é acentuado). e se não fosse este aumento súbito de peso, nem sequer tinha pensado nisso. mas quando vi aquilo na balança e o médico ao meu lado com cara satisfeita, parece que veio toda a raiva. depois claro, quando escrevo este tipo de coisas (às quais não consigo tirar nada porque no fundo, ter pouco peso foi durante muito tempo o meu objetivo, a minha razão) é porque na minha cabeça já não é só o peso: é o peso, as minhas frustrações em relação aos outros (às outras!), o acreditar que toda a gente é linda (que é uma coisa que me custa).
não vou fatiar o rabo, até porque eu gosto do meu rabo, principalmente quando acabo a natação. depois vou dormir e de manhã acordo outra vez "estranha". nem sei porque é que estou a dizer isto. não fatio o rabo não, até porque uma vez fatiei o pulso e doeu. não gostei.

20/12/12 12:35 da manhã  
Blogger beluga said...

Ana:
bem, que queres que te diga que não tenha dito no anónimo. acho que se não fosse esta coisa toda a gente não se tinha aproximado (nem afastado!) na faculdade. a parte engraçada disto tudo é que na noite de segunda para terça sonhei que as modelos da Victoria's Secret (lingerie) estavam a desfilar com coxas de frango de churrasco na mão, em solidariedade!

20/12/12 12:38 da manhã  
Blogger beluga said...

Caro António:
adorei, a música e a letra. Após o período natalício (em que terei de postar o George Michael) irei postar. Sinceramente, muito obrigada

20/12/12 12:39 da manhã  
Blogger beluga said...

Cara Alma:
eu sei, eu sei... eu sei isso tudo, mas... não consigo explicar. na altura a raiva, o nojo é tanto que eu digo tudo o que sinto em relação ao meu corpo e em relação a outras coisas. Fico sem falar com ninguém ou então começo a falar mal (com o médico, por exemplo), dá-me vontade de praguejar. uma vez agarrei as coxas de tal forma com a raiva que fiquei com os dedos marcados. sei que posto assim até dá uma imagem cómica, mas carago, viver com isto é dose. não quero que ninguém tenha pena de mim. acho que escolhi isto e depois, não sei, acho que nunca mais vou ter uma relação normal com a comida. talvez mais descontraída, mas ainda hoje quando janto fora, começo a ficar nervosa e até vir o jantar fico calada para me concentrar na imagem mental da comida. enfim... isto dava um livro à la margarida. o que é de evitar. obrigada por me ler

20/12/12 12:44 da manhã  
Blogger alma said...

Beluga,
Obrigada por ser tão sincera. Não sei o que é sentir essa aversão por comida,gula é um dos meus pecados favoritos.

Nade mais, até lavar-se toda por dentro. O desporto cria defesas(e amor ao próprio)
O meu desejo para si é que em 2013 descubra o prazer de ser como é (big smile)

um grande e forte abraço com beijinhos à mistura.

20/12/12 3:14 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Cara Beluga,

por várias vezes já a li afirmando que não deseja pena alheia. É bonito, mas não me parece que alguém lhe tenha escrito passando a mão pelo pelo! E a propósito, se não deseja que tenham pena de si, então é tempo de parar de a sentir por si própria!

Não são os outros que se afastam de si, você é que não permite que eles cheguem perto... nem mesmo aqui!

Um abraço e votos sinceros de recuperação.

20/12/12 5:46 da tarde  
Blogger beluga said...

cara maria, falamos por email

21/12/12 1:17 da manhã  
Blogger beluga said...

caro anónimo:
é justo! reconheço que sim.

21/12/12 1:18 da manhã  
Blogger Desbocado said...

Não conheço o teu corpo mas conheço a tua mente, ela é uito bonita, devo dizer/escrever. Com uma tão grande beleza intlectual a beleza corporal, quer a vejas ou não está aí, tenho a certeza ;)

DESBOCADO!

27/12/12 5:09 da tarde  
Blogger beluga said...

Caro Desbocado:
nem sei o que me faz sentir pior: a sensação de que alguém possa conhecer o meu corpo sem eu saber, ou que possa conhecer a minha mente. Não se preocupe, não é uma crítica.
O corpo, o corpo é sexo. A ana, grande amiga, diz que tudo é sexo, mesmo apertar a mão. mas eu acho que cometo erros atrás de erros. o meu corpo é a minha limitação, a minha limitação na relação com os outros. recuso-o, e acho até que foi por isso que decidi tentar regredir, dar-lhe uma dimensão uterina para não poder fazer nada dele. e sempre que falo disso, da minha dificuldade em dar o corpo e a cara (por isso tenho um blog, só dou a cabeça), mais revolta sinto, por não ser capaz de separar as coisas. e porque estou a sentir essa revolta, calo-me agora. seja bem-vindo

28/12/12 12:09 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home