terça-feira, novembro 29, 2005

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Hoje talvez seja melhor a FORMIGA não fazer referência ao Belogue. É que estamos em período de convalescença devido a decisões tomadas que causaram grande pesar. Por isso, e apesar de saber que já coloquei este poema aqui, volto com o mesmo que é o único que faz sentido neste momento.

Tudo era apenas uma brincadeira
E foi crescendo, crescendo, me absorvendo
E de repente eu me vi assim completamente seu
Vi a minha força amarrada no seu passo
Vi que sem você não há caminho,
eu não me acho
Vi um grande amor gritar dentro de mim como
eu sonhei um dia
Quando o meu mundo era mais mundo
E todo mundo admitia
Uma mudança muito estranha
Mais pureza, mais carinho mais calma,
mais alegria
No meu jeito de me dar
Quando a canção se fez mais clara e mais sentida
Quando a poesia realmente fez folia em minha vida
Você veio me falar dessa paixão inesperada
Por outra pessoa
Mas não tem revolta não
Eu só quero que você se encontre
saudade até que é bom
É melhor que caminhar vazio
A esperança é um dom
Que eu tenho em mim
Eu tenho sim
Não tem desespero não
Você me ensinou milhões de coisas
Tenho um sonho em minhas mãos
Amanhã será um novo dia
Certamente eu serei mais feliz

(Certamente. Só espero que não esteja demorado.)

Sonhos, Caetano Veloso

8 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Para que passar pela Formiga se se pode ir directamente ao Belogue, que é o que interessa.

PS: "Nomeei-te no meio dos meus sonhos
chamei por ti na minha solidão
troquei o céu azul pelos teus olhos
e o meu sólido chão pelo teu amor

(do) Ruy Belo

29/11/05 10:05 da manhã  
Anonymous Jimi said...

Obrigado por este "espelho"...

29/11/05 11:41 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

tu es la?

29/11/05 2:57 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

A menstruação quando na cidade passava o ar. As raparigas respirando, comendo figos - e a menstruação quando na cidade corria o tempo pelo ar. Eram cravos na neve. As raparigas riam, gritavam - e as figueiras soprando de dentro os figos, com seus pulmões de esponja branca. E as raparigas comiam cravos pelo ar. E elas riam na neve e gritavam: era o tempo da menstruação.

As maças resvalavam na casa. Alguém falava: neve. A noite vinha partir a cabeça das estátuas, e as maçãs resvalavam no telhado - alguém falava: sangue.
Na casa, elas riam - e a menstruação corria pelas cavernas brancas das esponjas, e partiam-se as cabeças das estátuas. Cravos - era alguém que falava assim. E as raparigas respirando, comendo figos na neve. Alguém falava: maçãs. E era o tempo.

29/11/05 2:57 da tarde  
Anonymous pete said...

so if you wanna burn yourself
remember that I LOVE YOU
and if you wanna cut yourself
remember that I LOVE YOU
and if you wanna kill yourself
remember that I LOVE YOU
call me up before your dead,
we can make some plans instead.

we won't stop until somebody calls the cops
and even then we'll start again and just pretend that
nothing ever happened

we're just dancing, we're just hugging,
singing, screaming, kissing, tugging
on the sleeve of how it used to be

loose lips, KIMYA DAWSON

29/11/05 8:43 da tarde  
Anonymous rui said...

Last night I dreamt
That somebody loved me
No hope, no harm
Just another false alarm

Last night I felt
Real arms around me
No hope, no harm
Just another false alarm


So, tell me how long
Before the last one ?
And tell me how long
Before the right one ?


The story is old - I KNOW
But it goes on
The story is old - I KNOW
But it goes on


Oh, GOES ON
And on
Oh, goes on
And on

the smith

29/11/05 9:21 da tarde  
Anonymous pete said...

Poetry is no place for a heart that's a whore
And I'm young & I'm strong
But I feel old & tired
Overfired

And I've been poked & stoked
It's all smoke, there's no more fire
Only desire
For you, whoever you are
For you, whoever you are

You say my time here has been some sort of joke
That I've been messing around
Some sort of incubating period
For when I really come around
I'm cracking up
And you have no idea

No idea how it feels to be on your own
In your own home
with the fucking phone
And the mother of gloom
In your bedroom
Standing over your head
With her hand in your head
With her hand in your head

I will not pretend
I will not put on a smile
I will not say I'm all right for you
When all I wanted was to be good
To do everything in truth
To do everything in truth

Oh I wish I wish I wish I was born a man
So I could learn how to stand up for myself
Like those guys with guitars
I've been watching in bars
Who've been stamping their feet to a different beat
To a different beat
To a different beat

I will not pretend
I will not put on a smile
I will not say I'm all right for you
When all I wanted was to be good
To do everything in truth
To do everything in truth

You bloody mother fucking asshole
Oh you bloody mother fucking asshole
Oh you bloody mother fucking asshole
Oh you bloody mother fucking asshole
Oh you bloody mother fucking asshole
Oh you bloody...

BMFA, Martha Wainwright

29/11/05 11:16 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

allôoooooooo!!!!

fala a D.Rosa!!

é aqui a secção dos discos pe(r)didos?

30/11/05 1:16 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home