quarta-feira, novembro 23, 2005

O CARTEIRO

A pouca vergonha ou "porque é que não há mulheres nuas na arte até ao século XVI" (excepção para evas, deusas e amantes de reis)


Giorgione
A tempestade
1508
Accademia, Veneza


Ticiano
Bacanal
1523-1525
Museu do Prado, Madrid



Coma nossa mãe ninguém brinca, é verdade. Se o Niépce não tivésse descoberto as possibilidades da fotografia, não gostaria de ver a minha santa mãezinha nos quadros e mármores de artistas, assim com as partes pudibundas de fora. Digo isto porque se houve temática permitida e explorada na arte mesmo durante a I.M. foi o pecado original; Adão e Eva; nus, juntos!!

É claro que Eva não é Maria, mas se Eva é a nossa mãe, não quero vê-la nua. Por outro lado, à mulher de César não basta ser séria, tem de parecê-lo. A Santa Maria Egipciana era uma prostituta; a Santa Ágata é representada segurando nas mãos uma bandeja com os seus próprios seios; as Virgens de Leite são aquilo que a gente sabe e a Santa Teresa d'Ávila completa a lista com o seu "Castelo Interior".

Há uma frase de uma canção de Maria Rita que diz: "não sou freira nem sou p***". Porém, até ao século XVI os artistas não encontraram um rumo para as nossas mulheres: elas são mães, esposas, santas, mas sempre vestidas. As que se despem são as Evas, as deusas e as amantes de reis.

As coisas só mudam, primeiro com "A Tempestade" de Giorgione", ainda com um nu muito puro, muito impotente, escondido no canto do quadro sobre o peso da tempestade. É intencionalmente bucólico. O segundo momento é "O Bacanal" de Ticiano.

A partir daí foi a catarse. Agradece-se a todos aqueles que vestiram as nossas mães e despiram as dos outros.

6 Comments:

Blogger ppan said...

hum... vejo q a conversa subiu de nível. "COMA NOSSA MÃE" é um lapso freudiano, e com isso tb nao se brinca.
dizer q até ao séc. XVI nao ha mulheres nuas é generalizar demasiado: isso apenas será verdade se considerarmos q a arte começa nos sec.s XI ou XII (porq antes disso a arte ocidental - e pra só falarmos desta - tá cheia de gajas nuas e gordas, venus roliças q aliás inspiraram depois as outras).
mas o problema existe, de facto. é uma questao q faz pensar: os kouros (kouroi?)nus, e as koré vestidas até ao pescoço.

acho q o importante nesta estória toda é que, virgens (=marias) ou deusas, mães, esposas ou putas, as muleres na arte só existem enquanto ícones. nunca enquanto agentes. se se achar q a arte é "assunto d'homens", então creio q será coerente agradecer-lhes o terem despido (ou vestido) as mulheres.

23/11/05 1:22 da tarde  
Blogger anab said...

arte não é assunto de homem não. isso é que era bom!

23/11/05 1:26 da tarde  
Blogger ppan said...

que é que tu tás a fazer aqui?!!
mas passas o tempo todo na net!

23/11/05 1:48 da tarde  
Blogger anab said...

a gargalhada espontânea parece um arroto peterpan!

23/11/05 2:46 da tarde  
Blogger beluga said...

Eu sei que tenho a tendência para encarar a arte só a aprtir do século XI. Porque gosto mais, não sei. Mas para amanhã fica um especial seios. E nesse entram todas as deusas da fertilidade e muito mais.
Por favor, não façam disto o messenger. É um blog de família!!!

23/11/05 3:40 da tarde  
Blogger anab said...

CARA BELUGA
fica tranquila, o blog é de família, logo não se pode asneirar.
ouviste peter pan? tomemos o nosso mesmo tino noutro lado!

23/11/05 5:17 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home