sexta-feira, junho 27, 2008

- ars longa, vita brevis –
hipócrates

“Antes e depois” ou, “de onde estas vieram, há muitas mais”, ou “Julianne Moore, uma das actrizes que mais versáteis em fotografia (ela já fez de rapariga do brinco de pérola num ensaio para outra revista, posa aqui como figura de Schiele. Apesar de, formalmente, fotografia e pintura não estarem a cópia uma da outra (mais a primeira cópia da segunda, verdade seja dita), compreende-se bem quem Peter Lindberg quer que Julianne interprete. A alusão a Schiele não podia ser melhor nem a mais adequada à actriz, uma vez que as figuras de Schiele são ossudas e angulares, um pouco telúricas no sentido de não terem nada de extraordinário, de etéreo e Julianne é delicada e de corpo brunido, este seria o quadro menos comprometedor, não só pela roupa que tapa o corpo e a sua estrutura, mas também porque há um tom de desafio na retratada que Julianne interpreta bem e ao qual dá mais ênfase. Ela retira a cabeça pousada no joelho que está no original e olha para quem a olha com uma madeixa ruiva sobre a testa. E sabe-se que o verde fica sempre bem às ruivas”:

Egon Schiele
Sitting Woman with Legs Drawn Up

1917
Narodni Galerie, Praga


Peter Lindberg
Julianne Moore a interpretar Schiele
2008
Harper’s Bazaar

3 Comments:

Blogger João Barbosa said...

estava cheio de saudades dos seus textos...

27/6/08 10:01 da manhã  
Blogger João Barbosa said...

e das respectivas ilustrações, é claro

27/6/08 10:01 da manhã  
Blogger beluga said...

caro joão barbosa:
é como lhe digo: vamos ver se ainda sou capaz.

30/6/08 6:05 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home