quarta-feira, março 28, 2018

- o carteiro -

avózinha, porque é que?

Poderia ser uma nova rubrica aqui no belogue, mas eu nem tenho tempo para as que existem, quanto mais para novas!...
Bom, é uma rubrica para capuchinhos vermelhos cujas avozinhas, antes de comerem as netas, têm tempo para lhes esclarecer dúvidas religiosas, importantes para quem vai entregar a alma ao criador daí a nada. convém, já sabem, estar ante o Senhor, sem dúvidas, ou ele manda-nos vaguear no limbo até mudarmos de ideias, o que acontece num instante. acreditem em mim que sei bem o que é o limbo. então cá vai:

- avózinha, porque é que Moisés tem cornos?
- jovem insolente, nem pareces minha neta. não lês nada de jeito? Não te inducas, não te enformas? eu sei o que queres dizer. Baseias essa tua ideia nestes dois trabalhos?
Micheangelo Buonarroti
Moses
1515
San Pietro in Vincole, Roma

Giovan Maria Morlaiter
Moses
Santa Maria del Rosario, Veneza

Pois bem, Moisés não tem chifres nem nunca teve embora surjam aqui e em muitas outras obras de arte. O que se passou com Moisés foi fruto de uma má tradução do hebraico para o latim, quando São Jerónimo tratou da Vulgata e do episódio em que Moisés desce o Sinai com os Dez Mandamentos, pela segunda vez, uma vez que da primeira vez as tábuas da lei foram por ele partidas. Ora bem, o hebraico tinha um número muito limitado de palavras. Assim, a mesma palavra poderia querer dizer duas coisas diferentes. No caso do Êxodo, que fala do episódio em que Moisés "ganha" chifres, a palavra utilizada em hebraico foi o verbo קָרַ֔ן (qaran) que quer dizer irradiar, brilhar, mas que se escreve da mesma forma que o nome qeran (קָרַ֔ן , ou seja, nome e verbo escrevem-se da mesma forma, mas pronunciam-se de formas diferentes, sendo que o nome "qeren" quer dizer "cornos a crescer" ou "criar cornos", se assim quisermos dizer). São Jerónimo optou pelo nome em vez do verbo e traduziu a passagem do Êxodo da seguinte forma:

“Cumque descenderet Moyses de monte Sinai, tenebat duas tabulas testimonii, et ignorabat quod cornuta esset facies sua ex consortio sermonis Domini” (Êxodo 34:35)

"Qaran" deu lugar a "qeren", "qeren" deu lugar a "cornuta" e daí aos cornos foi um instante. Os artistas até ao Renascimento retrataram Moisés com cornos, embora a partir daí as versões da Bíblia tivessem feito a devida correcção e por isso seja difícil encontrar após isso imagens de Moisés chifrudo. A Bíblia dos Capuchinhos - que considero uma das melhores edições da Bíblia e que pode ser encontrada online, já não fala em chifres, mas antes em irradiar, resplandecer:

"Os filhos de Israel viam resplandecer a face de Moisés que, em seguida, tornava a colocar o véu sobre o rosto, até entrar novamente para falar com Deus." (Êxodo 34, 35)

- avózinha, os anjos têm espadas?
- fazes-me cada pergunta! Chata!
- têm ou não?
- Habitualmente não, embora haja para aí muita treta mística que diga que sim. Quer dizer, os anjos do Antigo Testamento tinham. O Uriel tinha.
- Quem era Uriel?
- O anjo que estava às portas do Éden?
- Do Éden - Paraíso?
- Sim, do Éden-Paraíso... Que outro Éden poderia ser?
- Então é esse!
- Ah... estás a falar do Uriel porque viste isto, não foi?
Giusto de' Menabuoi
Expulsion of Adam and Eve from Paradise
1375-1378
Baptistry of St John, Pádua


Michelangelo Buonarroti
Expulsion from Garden of Eden
1509-10
Fresco
Cappella Sistina, Vaticano
- ouve... o que tu vês nestas imagens são querubins, anjos com aparência humana e um par de asas. Pir vezes podem ter formas estranhas, como animais híbridos, quase monstruosos, mas estes são sem dúvida querubins. os serafins têm três pares de asas. Não há nada na Bíblia que diga que os querubins ou outros anjos expulsaram Adão e Eva do Paraíso à espadeirada. O que diz é:



"Depois de ter expulsado o homem, colocou, a oriente do jardim do Éden, os querubins com a espada flamejante, para guardar o caminho da árvore da Vida." (Génesis 3, 24

Em outras traduções lê-se que Deus colocou os "querubins e uma espada flamejante que se movia e guardava o caminho da árvore da vida", Seja como fôr, os querubins não expulsam Adão e Eva pela força da espada. A história seria muito mais interessante se assim fosse, mas pelos vistos,... não.

- avózinha, porque é que estão a enfiar um pedaço de mármore pela goela deste senhor?
- hã?
- aqui! É mármore, não é?
1146
Bíblia Lambeth, Ms.3, fol.258
Lambeth Palace Library, Londres

- mármore? tens cada ideia!
- parece... a mim parece.
- parece, mas não é?
- então o que é, avozinha?
- olha, é Deus a fazê-lo comer o manuscrito. O que ele está a comer é papel e não mármore. O que deve ser bem menos indigesto... Bom, o Ezequiel é um mistério: tal como Elias, e como o próprio Jesus, ascende aos céus (com Elias partilha o meio de transporte: um carro de fogo), come um manuscrito (Ezequiel 3, 1), dorme 190 dias sobre um dos lados (Ezequiel 4, 5) e 40 sobre o outro (Ezequiel 4, 6), faz uma maquete do cerco babilónio a Jerusalém, rapa os cabelos e divide-os em três partes (uma para largar ao vento, uma para largar na cidade e a terceira para queimar) (Ezequiel 5, 1), come comida confecionada sobre cocó humano (Ezequiel 4, 12)... Enfim, é bem provável que o Ezequiel estivesse sob a influência de drogas quando escreveu isto.
- avózinha... 
- sim....
- porque é que usas brincos nas orelhas para dormir?
- porque nunca se sabe o que a noite nos reserva. posso encontrar o homem dos meus sonhos...nos meus sonhos. e se houver um incêndio durante a noite, sempre é menos uma coisa com que me preocupar.
- e porque é que tens uns olhos tão pequeninos?
- porque estou cheia de sono. vou dormir e tu também devias ir em vez de ficares aí horas no Snapchat. 

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Muito bom.

28/3/18 1:50 da tarde  
Blogger beluga said...

Caro anónimo
Bom dia e muito obrigada! Já foi muito melhor, mas o tempo...

Até breve, beluga

29/3/18 8:46 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home